Blog voltado para a divulgação da Aviação Comercial, Militar e Civil, mostrando através de textos informativos e
fotos, as aeronaves, suas histórias e curiosidades, Operações Militares, Eventos Aeronáuticos e muito mais!

Seja bem-vindo a bordo!!!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

Seja bem-vindo novamente, MAX!

 


A GOL retomou nesta quarta-feira (09/12) os voos com suas aeronaves Boeing 737 MAX 8, suspensos desde março do ano passado, devido a dois acidentes com aeronaves do mesmo modelo, ocorridos com outras Companhias Aéreas. Como consequência, toda a frota mundial de aviões 737 MAX ficou proibida de voar até que as investigações fossem concluídas e os problemas totalmente corrigidos. O Aeroporto Internacional Hercílio Luz (FLN/SBFL) foi um dos escolhidos para esta reinauguração das operações regulares de voo do 737 MAX da GOL e o blog Aviação em Floripa não poderia deixar de registrar este momento. Sendo assim, comparecemos ao terraço panorâmico do aeroporto e compartilhamos com nossos leitores esta matéria especial. Boa leitura!


Após mais de 20 meses sem voar, eis que o Boeing 737 MAX 8 ganhou novamente os céus e coube a Companhia Aérea brasileira GOL a primazia em fazer esta reestreia do modelo em todo o mundo. Após dois graves acidentes, um na Indonésia, em outubro de 2018, e outro na Etiópia, em março do ano passado, todos os aviões deste modelo preventivamente ficaram impedidos de voar até que as causas fossem apuradas. As análises dos órgãos de investigação levaram à falhas no sistema de controle de voo da aeronave, chamado de MCAS (do inglês, Maneuvering Characteristics Augmentation System), ou Sistema de Aumento de Características de Manobra, levando determinados sensores do avião a interpretar informações erradas, conduzindo a aeronave a ângulos e condições de voo incontroláveis por parte dos pilotos. Neste período de interrupção a Boeing introduziu uma série de medidas para sanar a problema, criando uma redundância no sistema, limitando sua atuação, além de outras melhorias implementadas. 


Equipe de solo registrando o momento.

Durante o tempo em que a aeronave permaneceu "groundeada", paralelo à investigação, identificação e correção do problema, a GOL colocou em prática um extenso programa de testes em simulador e em voo, a fim de preparar suas equipes de mecânicos e tripulações para o retorno das atividades com o MAX. O trabalho nas aeronaves visando sua readequação às operações aéreas e os testes em voo foram realizados no Centro de Manutenção da Companhia, chamado de GOL Aerotech, localizado em Confins/MG, já o treinamento dos pilotos em simulador foi feito nos Estados Unidos, com 140 profissionais capacitados novamente a voar a aeronave após as mudanças promovidas pela Boeing. A liberação do MAX enfim foi dada pela Federal Aviation Administration (FAA), órgão regulador do setor aeronáutico nos Estados Unidos (país onde é sediada a Boeing), em 18 de novembro deste ano, seguida por sua congênere brasileira, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), uma semana mais tarde.



A aeronave escolhida para a reentrada em operação foi o PR-XMB (c/n 43987), o segundo Boeing 737 MAX recebido pela GOL, entregue a Companhia Aérea brasileira em 21 de agosto de 2018. O primeiro voo desta nova fase foi realizado ainda no período da manhã, ligando o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo ao Salgado Filho, em Porto Alegre. De lá a aeronave retornou para São Paulo e então partiu para a capital catarinense no início da tarde, através do voo com o prefixo G3 1316. Ao chegar no Hercílio Luz, foi recebida com o tradicional "Water Salute", saudação tradicionalmente destinada aos voos ou aeronaves que apresentam alguma circunstância especial. De acordo com a escala de voos, ela ainda deve retornar uma segunda vez a Florianópolis nesta quarta-feira, desta vez operando sob o voo G3 1322. Até o momento a GOL tem em sua frota um total de sete aeronaves 737 MAX 8, matriculadas como PR-XMA a XMG, montante este que faz parte de uma encomenda total de 120 jatos do mesmo modelo. A expectativa da empresa é que até o final deste mês de dezembro os outros seis 737 MAX estejam voando regularmente na sua malha de voos.




Ao ingressar no pátio, o PR-XMB recebeu o tradicional "Water Salute".

O modelo 737 MAX é um aprimoramento do Boeing 737NG (Next Generation), sendo considerada a quarta geração deste que é um dos maiores sucessos de venda da empresa e também um dos aviões comerciais mais fabricados e utilizados no mundo. Entre as diversas características e melhoramentos desta versão, os mais fáceis de identificar visualmente são os winglets de ponta dupla nas extremidades das asas e o novo motor CFM International LEAP-1B, responsável por uma significativa redução dos níveis de ruído da aeronave, além de prover uma economia de cerca de 15% no consumo de combustível em relação ao modelo anterior. Atualmente o avião é oferecido em quatro tipos, os 737 MAX 7, 8 (com uma sub-variante de alta densidade chamada de MAX 200), 9 e 10, esta última, a mais alongada de todas, visando competir com o A321neo da Airbus.

Detalhe do winglet na ponta da asa.



Detalhe do motor turbofan CFMI LEAP-1B.








3 comentários:

fabrica de convites disse...

Parabéns pela excelente reportagem e principalmente pelo que ela representa para Aviação Comercial. Abraços.

Pedro B S Filho disse...

Preciso urgente voltar a voar,visitar os familiares. Kkkkkkkk
Parece até que eu piloto uma aeronave.
Enquanto não tenho tempo para isso, minha companhia aeronáutica são matérias como esta.
Muito obrigado meu amigo. Parabéns.

pampa14 disse...

Muito obrigado pelos comentários.

Postar um comentário