Blog voltado para a divulgação da Aviação Comercial, Militar e Civil, mostrando através de textos informativos e
fotos, as aeronaves, suas histórias e curiosidades, Operações Militares, Eventos Aeronáuticos e muito mais!

Seja bem-vindo a bordo!!!

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Uma imagem curiosa #25


Esta matéria é parte integrante de uma série de fotos e/ou vídeos especialmente escolhidos em nosso acervo analógico e digital, trazendo algum tipo de curiosidade, raridade ou informação interessante a respeito destas imagens, seja acerca da aeronave em si ou um fato ou história relacionados a ela. Ocasionalmente, publicaremos uma destas imagens, junto com um pequeno texto explicativo sobre a mesma. Informamos que a preocupação aqui não é com a qualidade em si da imagem, mas com o seu resgate histórico, tendo ainda o objetivo de auxiliar na preservação de uma parte da memória e da cultura aeronáutica brasileira. Seja muito bem vindo(a) a bordo e boa leitura!


Embraer/Alenia/Aermacchi A-1, FAB 5531, Base Aérea de Florianópolis, Maio de 2003.

Uma configuração de armamento pouco comum de ser vista acompanhou o A-1 com a matrícula FAB 5531 presente ao Portões Abertos em comemoração pelos 80 anos da Base Aérea de Florianópolis, em maio de 2003. A aeronave estava equipada com quatro lançadores múltiplos sob as asas, cada um deles com capacidade para transportar 19 foguetes não guiados de 70 mm, totalizando 76 artefatos que podem ser armados com diversos tipos de ogiva (incendiária, perfurante, explosiva, entre outras), de acordo com o alvo ou o objetivo a ser atacado. Fabricado pela Equipaer, indústria brasileira com sede em São Paulo, o EQ-LMF 70/19 é capaz de lançar os foguetes em salvas ou de forma individual e é utilizado em missões de Ataque ao Solo ou Apoio Aéreo Aproximado, contra blindados, fortificações, comboios ou concentrações de tropa. A aeronave que veio a Florianópolis pertence ao 3º Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (3º/10º GAv), conhecido como Esquadrão Centauro, Unidade Aérea sediada em Santa Maria/RS.




3 comentários:

Fabio Bittencourt disse...

Parabéns pela reportagem, Pampa 14. O AMX no Brasil é bem diferente do AMX na Itália, na questão armamento. Espero que essas mudanças de status junto aos EUA, permita acesso à novos armamentos,sabe me dizer qual o armamento empregado em missão anti-navio na FAB ?

pampa14 disse...

Bom dia, a FAB utiliza apenas o AGM-84 Harpoon BlockII em seus P-3AM Orion, nenhuma aeronave de caça ou ataque da frota atual tem em seu arsenal este tipo de armamento integrado aos seus sistemas. Existia um projeto da Mectron com a Marinha do Brasil para um míssil antinavio que poderia derivar em versão ar-mar, mas não sei em que nível está esse programa. Os novos Gripen já terão esse tipo de armamento integrado, homologada e certificado para determinados modelos de mísseis antinavio, bastando apenas a compra do equipamento. Depois é só instalar e disparar. Espero ter esclarecido sua questão.

Fabio Bittencourt disse...

A FAB precisa sair do arco e flecha com o AMX e fazer uso de armamento ofensivo, caso contrário o Gripen será um F-5 de Mach 2.0, no quesito armamento.

Postar um comentário