Blog voltado para a divulgação da Aviação Comercial, Militar e Civil, mostrando através de textos informativos e
fotos, as aeronaves, suas histórias e curiosidades, Operações Militares, Eventos Aeronáuticos e muito mais!

Seja bem-vindo a bordo!!!

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

F-39E Gripen: Uma nova era para a FAB tem início em Santa Catarina




Um novo capítulo na história da Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira começou a ser escrito a partir de hoje, tendo terras catarinenses como cenário de fundo, mais precisamente o Aeroporto Internacional Ministro Victor Konder (NVT/SBNF), localizado na cidade de Navegantes. Na tarde desta quinta-feira (24/9) a aeronave F-39E Gripen com a matrícula FAB 4100 ganhou pela primeira vez o céu brasileiro, com destino às instalações da Embraer Defesa e Segurança em Gavião Peixoto (GPX/SBGP), interior de São Paulo, dando prosseguimento ao longo período de avaliações e ensaios iniciado na Suécia no ano passado, a fim de cumprir os requisitos necessários para o desenvolvimento do avião. O blog Aviação em Floripa não poderia deixar passar em branco este marco para a FAB e para a indústria aeronáutica brasileira, sendo assim, estivemos em Navegantes durante esta semana e acompanhamos da melhor forma possível todos os detalhes deste momento histórico. Como resultado, brindamos nossos leitores com esta matéria super especial. Boa leitura!

Nota Editorial: Devido à grande quantidade de eventos relacionados à chegada do Gripen a Santa Catarina na última semana, não foi possível estar presente em todos eles, entretanto, contamos com a colaboração de amigos que gentilmente nos cederam algumas fotos. Além disso, algumas etapas foram com acesso restrito, sem a presença da imprensa e, nesse caso, utilizamos imagens oficiais divulgadas pelos canais oficiais que julgamos serem relevantes com o contexto da matéria. Convém ressaltar que esta exceção na forma como o blog Aviação em Floripa publica seus conteúdos foi feita única e exclusivamente, diante da importância do fato histórico, com o intuito de levar ao nosso público sempre a melhor e mais completa informação.



Antes do ar, por mar e terra


A longa viagem do F-39 Gripen (c/n 39-6001) até Santa Catarina teve início em 29 de agosto a partir do porto sueco de Norköping, localizado na região sudeste do país e distante cerca de 40 quilômetros de Linköping, onde fica o Centro de Testes da Saab. A aeronave foi embarcada no navio cargueiro MV Elke com bandeira de Antígua e Barbuda, fretado exclusivamente para esta empreitada, chegando ao Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes na manhã do dia 20 de setembro. O avião veio completamente montado, apenas sem o assento ejetável, apoiado sobre uma estrutura metálica própria para seu transporte. Ainda na tarde de Domingo ocorreu o procedimento de retirada do navio e após os trâmites alfandegários, o Gripen seguiu rebocado pelas ruas da cidade até o aeroporto (distante cerca de 2,5 quilômetros), entrando por um portão localizado junto à cabeceira 07 da pista do aeroporto, numa operação que transcorreu sob forte esquema de segurança durante a madrugada de terça-feira, a fim de não causar transtornos ao trânsito e evitar a presença de curiosos, mesmo assim, um grande número de pessoas acompanhou o trajeto. Diga-se de passagem, esta proximidade entre as duas instalações foi preponderante para a escolha de Navegantes como porta de entrada do avião no Brasil, não apenas para este primeiro avião, mas especula-se que os demais exemplares destinados à FAB fabricados na Suécia, deverão seguir o mesmo itinerário e modo de entrega.

Rota percorrida pelo MV Elke desde o porto de Norrköping até Navegantes/SC. Fonte: Marinetraffic.com

A pequena distância entre as instalações do Porto e o Aeroporto de Navegantes foi fundamental para a escolha de Santa Catarina para receber o Gripen. Imagem adaptada e editada a partir do Google Earth.


FAB 4100 no compartimento de cargas do MV Elke, a caminho do Brasil. Fonte: redes sociais




Um momento histórico! Precisamente às 09:35 do dia 20 de setembro o MV Elke adentra o canal do porto trazendo a bordo o primeiro Gripen E da FAB.

MV Elke atracado no Porto de Navegantes prestes a desembarcar sua valiosa carga.

Embora a viagem de navio entre a Suécia e o Brasil seja demorada (cerca de 3 semanas de navegação), é fato que ela se mostra muito mais segura do que fazer um voo desta natureza por meios próprios. Por se tratar de uma aeronave ainda em fase de testes, monomotora e com capacidade limitada de combustível (mesmo com tanques adicionais), o traslado por via aérea demandaria uma rota com diversas escalas, envolvendo a autorização prévia para sobrevoar vários países, sem contar a grande distância para atravessar o Oceano Atlântico, tendo poucos pontos de apoio para um eventual pouso de emergência. Um outro caminho seria transportar o Gripen em um avião cargueiro diretamente para Gavião Peixoto, certamente uma alternativa mais rápida, porém, talvez com um valor mais elevado e certamente exigiria sua desmontagem parcial. Sem dúvidas todas as opções foram avaliadas pela equipe que gerencia o projeto e a escolha pela via marítima deve ter se apresentado mais vantajosa em termos de logística e de custo/benefício. Ao contrário do que possa parecer, essa prática é bem corriqueira em entregas desta natureza, já sendo inclusive utilizada aqui mesmo em nosso país em outras oportunidades.

F-39E Gripen sendo retirado do porão de cargas do MV Elke. Crédito: Saab/Divulgação

Término do processo de retirada do navio. Crédito: Portonave/Divulgação

Vídeo oficial mostrando o procedimento de retirada do avião. Crédito: Saab do Brasil


Início do traslado entre o porto e o aeroporto. Crédito: Saab/Divulgação



Trajeto pelas ruas da cidade. Crédito: Giulliano B. Frassetto (website Máquinas Voadoras)

Trajeto terrestre do F-39 Gripen entre o Porto e o Aeroporto. A aeronave entrou por um portão de acesso recém-construído próximo à cabeceira 07 e acessou o hangar reservado a ela pela pista de pouso. Imagem adaptada e editada a partir do Google Earth.

Outro ponto positivo do aeroporto catarinense, além da proximidade com o porto, é a sua baixa frequência de voos comerciais e executivos, se comparada com outros aeroportos localizados em grandes centros, propiciando condições ideais para que a montagem dos equipamentos e testes em solo com o avião transcorresse da melhor forma possível. Um hangar foi previamente escolhido para receber a aeronave e foram necessários mais dois dias para o F-39 Gripen ser colocado em condições de voo, incluindo a instalação do assento ejetável com suas cargas explosivas, giro do motor, teste de taxiamento e a energização e verificação de todos os sistemas da aeronave com o objetivo de garantir a segurança e o sucesso do voo inaugural.

Chegada do avião ao hangar reservado para ele. Crédito: Saab/Divulgação

O local marcado com a cor vermelha foi escolhido para abrigar a aeronave durante sua passagem por Navegantes. Imagem adaptada e editada a partir do Google Earth.




Na tarde de quarta-feira a aeronave foi acionada pela primeira vez e efetuou uma rápido taxiamento pela pista de decolagem e logo em seguida retornou para o local de estacionamento, como mostram as fotos acima, registradas a partir do Terminal de Passageiros com exclusividade pelo blog Aviação em Floripa.



Enfim, o Gripen ganha os céus


Após passar mais de três semanas no mar e mais alguns dias em terra, eis que o grande dia chegou, devolvendo o Gripen ao seu habitat natural. Como um verdadeiro espetáculo a céu aberto, o dia 24 de setembro amanheceu repleto de expectativas, tendo como palco o Aeroporto de Navegantes, o público, profissionais de imprensa, toda a equipe envolvida no projeto, autoridades civis e militares, além de todos aqueles que tiveram o privilégio de presenciar este fato marcante, e claro, a estrela da festa, o F-39E Gripen. Acompanhe a partir de agora, uma sequência de fotos mostrando de forma crononógica o passo a passo deste momento histórico.




Duas aeronaves Northrop F-5EM/FM do Esquadrão Pampa foram escaladas para escoltar o Gripen após a decolagem até Gavião Peixoto. As aeronaves ficaram sediadas na Base Aérea de Florianópolis.


O Alerta SAR foi guarnecido por um dos H-60L Black Hawk do Esquadrão Pantera. Aqui vemos a aeronave em Florianópolis iniciando os preparativos de decolagem para Navegantes. 

Aeronave pronta no pátio aguardando o momento do acionamento.

Coube ao sueco Marcus Wandt, Piloto de Testes da Saab, a responsabilidade de realizar o primeiro voo do Gripen no Brasil.



Piloto guarnecendo a aeronave.



Preparativos finais da equipe de solo antes do táxi.

Para presenciar este momento histórico cada cantinho no aeroporto e no seu entorno foi disputado.

Fotógrafos e cinegrafistas a postos para registrar este momento histórico.



Início do táxi em direção à cabeceira 07 de Navegantes.


F-39 Gripen aguardando liberação de pista pela Torre de Controle e helicóptero H-60L prosseguindo para área próxima do aeródromo a fim de permanecer de prontidão durante a decolagem.

E eis que chega o momento histórico tão esperado por todos. Pela primeira vez o F-39 Gripen ganha o céu brasileiro, seguindo para Gavião Peixoto/SP, onde continuará um intensivo período de avaliação e testes, que deverá ser quebrado apenas no dia 23 de outubro, data em que se comemora o Dia do Aviador, quando está prevista a apresentação oficial do Gripen, com um sobrevoo sobre a cidade de Brasília/DF.



Um pequeno notável


O Saab Gripen foi o vencedor em 2013 da concorrência internacional elaborada pelo Governo Brasileiro, denominada como Programa FX-2, visando o reequipamento e a modernização da frota de aviões de caça da Força Aérea Brasileira, dotando-a de um vetor de última geração em termos de desempenho, sensores e armamentos. O avião sueco desbancou em sua fase final dois concorrentes de peso, o Boeing F/A-18 Super Hornet e o Dassault Rafale. O modelo adquirido pela FAB é baseado no Gripen NG, desenvolvido pela Saab a partir do Gripen C/D já operado pela própria Suécia e diversas outras forças aéreas, entretanto, não é exagero dizer que trata-se de um avião completamente novo, tal o número de tecnologias e aperfeiçoamentos agregados ao projeto. Entre eles, está uma nova motorização, o turbofan General Electric F-414-GE-39E (gerando cerca de 25% a mais de potência que o motor das versões anteriores do Gripen), maior capacidade interna de combustível, um novo radar de Varredura Eletrônica Ativa (da sigla em inglês AESA, Active Electronally Scaned Array), o ES-05 Raven, desenvolvido pela italiana Leonardo, um painel de voo totalmente redesenhado do tipo WAD (Wide Area Display), produzido pela brasileira AEL Sistemas, além de diversos sensores e armamentos especialmente planejados para a aeronave.

O infográfico acima mostra as principais melhorias implementadas no Gripen E/F em relação ao seu antecessor, o Gripen C/D. Fonte: www.militarypower.com.br


Diagrama em corte com as principais características, componentes e antenas do Gripen E. Fonte: https://br.pinterest.com/

O primeiro Gripen E destinado à FAB voou em agosto do ano passado e desde então juntou-se aos demais modelos de pré-produção cumprindo uma exaustiva carga de ensaios de testes em solo e em voo com a finalidade de aferir se a aeronave atende a todos os requisitos técnicos e operacionais estabelecidos no contrato. A partir de agora este exemplar dará continuidade ao programa de desenvolvimento voando a partir do território nacional, sendo avaliado por técnicos da Embraer e da Saab. Todo esse trabalho será realizado junto ao Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN, do inglês Gripen Design and Development Network) e no Centro de Ensaios em Voo do Gripen (GTFC-B, Gripen Test Flight Center Brasil), ambos localizados juntos à fábrica da Embraer em Gavião Peixoto. No momento, além do 39-6001, outros seis Gripen E estão participando da campanha de ensaios, avaliando uma série de parâmetros inerentes à operação da aeronave, tais como o envelope de voo, além de diversos sistemas e sensores embarcados. Cabe ressaltar que esses exemplares são chamados de FTI (do inglês, Flight Test Instrumentation), ainda sem vários equipamentos e a capacidade total de armamento e sistemas que a versão operacional terá a seu dispor. De acordo com o cronograma atualizado e vigente, a Força Aérea Brasileira deverá receber oficialmente seu primeiro exemplar no último trimestre de 2021 e o último, completando as 36 unidades, em 2026.

Cronograma atual de entregas dos 36 Gripen E/F para a FAB (disposto no campo com a cor laranja), com quatro aeronaves em 2021 (incluindo o FAB4100), sete em 2022, seis em 2023, oito em 2024, nove em 2025 e finalmente, duas em 2026.  Fonte: https://estrategiaglobal.blog.br/


Diagrama mostrando a capacidade e tipos de cargas externas do Gripen E/F. Fonte: Saab


Opções de armamento ar-ar para o Gripen E/F, incluindo os tipos já em uso atualmente na Força Aérea Brasileira. Fonte: https://aeromagazine.uol.com.br/


A arte acima mostra os diversos tipos de armamentos ar-ar, ar-solo e pods de reconhecimento e de aquisição de alvos já integrados ao Gripen E. A compra destes armamentos e sensores depende de cada país, mas eles já estão previamente incorporados aos sistemas da aeronave. Fonte: 3D STUDIO MAX/Eskil Nyholm via https://www.aereo.jor.br/

O Gripen E é um caça leve multifuncional e monomotor, classificado no jargão das aeronaves de combate como de quarta geração e meia ou 4++. Desenvolvido pela empresa Saab, sua célula é baseada no JAS-39C/D utilizado pela Suécia e por forças aéreas de mais  quatro países (África do Sul, República Tcheca, Hungria e Tailândia). O contrato assinado com o Brasil contempla a transferência de tecnologia (algo essencial para a indústria aeronáutica nacional), além de diversas compensações comerciais, chamadas de offsets. A compra inicial envolve a aquisição de 36 aeronaves, sendo 28 do modelo F-39E (com um assento) mais 8 F-39F (com dois assentos), este último, até o momento, exclusivo para o Brasil. Deste montante, quinze deles, sendo oito monopostos e sete bipostos, serão integralmente construídos no Brasil, a partir das instalações da Embraer em Gavião Peixoto. Com o passar do tempo, toda a frota de aviões de combate da FAB deverá ser padronizada com este modelo, substituindo os atuais vetores de Defesa Aérea, os Northrop F-5EM/FM Tiger II e mais a frente, os aviões de Ataque e Reconhecimento, os Embraer/Alenia/Aermacchi A-1. Para tal, novos exemplares deverão ser adquiridos no futuro. O cronograma oficial prevê a entrega do primeiro F-39 Gripen operacional para a Força Aérea Brasileira no final do ano que vem e a primeira Unidade Aérea a operá-lo, será o Primeiro Grupo de Defesa Aérea, sediado na Ala 2, em Anápolis/GO.

Desenho em três vistas do Gripen E. Fonte: https://br.pinterest.com/


Componentes do avião a serem desenvolvidos ou fabricados por empresas nacionais. Fonte: https://revistapesquisa.fapesp.br/


Um projeto deste porte sempre envolve a contribuição e a participação multinacional, seja na construção da aeronave em si como no fornecimento de peças, sistemas e componentes, entretanto, o mais importante será o know-how que a indústria nacional absorverá com a construção do Gripen E/F, através da transferência de tecnologia, elementos estes que podem ser vistos no diagrama acima. Fonte: https://aeromagazine.uol.com.br/


Palavras finais


A chegada do Gripen representa um divisor de águas. É inegável o salto tecnológico que a Força Aérea Brasileira ganhará com a entrada em serviço do F-39E/F Gripen, inserindo-a definitivamente no estado da arte da moderna arena do combate aéreo, permitindo o aprimoramento e o desenvolvimento de todo um conjunto de novas doutrinas e táticas de emprego, por conseguinte, elevando o patamar operacional de suas equipagens e da força aérea como um todo. Ganha toda a indústria nacional, não apenas as empresas ligadas diretamente ao projeto ou ao setor aeronáutico, permitindo a absorção de conhecimento e o domínio de várias tecnologias de ponta que permeiam a criação e o desenvolvimento de uma aeronave de última geração, seja no projeto em si, seja na confecção e produção de componentes ou na integração de sistemas, além de incentivar a geração de empregos em todos os níveis da cadeia produtiva que envolvem um programa desse porte. Enfim, ganha o Brasil, ao adquirir um vetor com grande poder de dissuasão no sempre complexo tabuleiro de xadrez da geopolítica regional, recolocando nossa aviação de combate em termos quantitativos e qualitativos novamente na liderança continental, garantindo que nosso imenso manancial de riquezas naturais e a soberania de nosso espaço aéreo continuem bem defendidos.


Agradecimentos


Gostaríamos de agradecer à Assessoria de Imprensa da Força Aérea Brasileira pelo convite e pela oportunidade em presenciar de maneira privilegiada deste momento histórico, ao Comando da Base Aérea de Florianópolis, pela autorização em registrar as aeronaves destacadas para apoiar a operação de decolagem e traslado em voo do Gripen, aos profissionais de sua Comunicação Social pelo acompanhamento de pátio e demais informações, enfim, a todos os amigos que direta ou indiretamente ajudaram de alguma forma a tornar esta matéria possível.