Blog voltado para a divulgação da Aviação Comercial, Militar e Civil, mostrando através de textos informativos e
fotos, as aeronaves, suas histórias e curiosidades, Operações Militares, Eventos Aeronáuticos e muito mais!

Seja bem-vindo a bordo!!!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Asas protetoras sobre Santa Catarina




Mais um dia vai seguindo seu curso, entretanto, dentro da normalidade e da aparente calma, sempre há espaço para situações inesperadas ou de risco. Em Criciúma, após assalto a um estabelecimento comercial, o helicóptero da Polícia Civil logra êxito em localizar os criminosos escondidos em área de mata fechada nos arredores da cidade, direcionando as unidades em terra até o local. Quase ao mesmo tempo, o helicóptero da Polícia Rodoviária Federal decola de sua base em Florianópolis para prestar apoio a um acidente de trânsito ocorrido na BR-282 em Santo Amaro da Imperatriz. Em Lages, na serra catarinense, o helicóptero Águia da Polícia Militar, em voo rotineiro de patrulhamento, observa desmatamento em área de vegetação nativa, num flagrante caso de crime ambiental. Partindo do Aeroporto Hercílio Luz, em mais uma missão em favor da vida, um dos aviões do Corpo de Bombeiros Militar segue para Blumenau, no Vale do Itajaí, para buscar um órgão que será transplantado em alguém que necessita desse suporte para continuar vivendo.

Os acontecimentos que você leu acima são fictícios, mas estão presentes na rotina das equipes que compõem as Unidades Aéreas das Forças de Segurança Pública estaduais e federais que atuam em Santa Catarina. Estes são apenas alguns exemplos das inúmeras tarefas de extrema importância prestadas à sociedade catarinense por estes profissionais abnegados ao longo dos 365 dias do ano. Convido você a conhecer a partir de agora, as aeronaves e um pouco da história, das missões e do trabalho destas unidades que cumprem do ar, a nobre missão de servir e proteger.


O Quarteto Fantástico


Assim como na História em Quadrinhos criada pela Marvel Comics, onde os quatro personagens (cada qual com sua personalidade e poderes próprios), lutam contra seus inimigos para salvar a humanidade, podemos fazer uma analogia com os Órgãos da Segurança Pública que empregam meios aéreos em Santa Catarina. Embora operando equipamentos distintos e tendo missões e demandas específicas, todos eles (Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal), principalmente em situações de excepcionalidade, de crise ou calamidade pública, têm a plena capacidade de operar de maneira coordenada e integrada, fruto do elevado treinamento e qualificação de suas equipes.

Uma cena comum nos céus da capital catarinense, helicóptero Arcanjo sobrevoando a região continental de Florianópolis.


"Ancanjo 3" (em primeiro plano) e "Águia 2", durante evento conjunto da Segurança Pública de Santa Catarina, na Beira-Mar Continental, em Florianópolis.

De forma a se tornar mais presente e fornecer uma resposta mais rápida e eficiente à população ou aos eventos que preconizem o emprego do componente aéreo, as Unidades Aéreas encontram-se distribuídas pelo território catarinense de maneira que cada macrorregião é atendida por pelo menos uma delas. É importante ressaltar que, embora tenham suas bases fixas de operação, é comum o deslocamento das aeronaves para outras regiões de Santa Catarina, seja para o atendimento de alguma ocorrência ou em apoio às demais corporações ou órgãos públicos. A figura abaixo mostra a distribuição espacial das Unidades Aéreas pelo Estado.


Localização das bases fixas de operações aéreas das Forças de Segurança em Santa Catarina.

Atualmente o Estado de Santa Catarina conta com uma frota composta por oito aeronaves de asa rotativa (helicópteros) e quatro de asa fixa (aviões), operados pela Polícia Militar (Batalhão de Aviação), Corpo de Bombeiros Militar (Batalhão de Operações Aéreas), Polícia Civil (Serviço Aeropolicial/Aeropolicial de Fronteira) e Polícia Rodoviária Federal (Divisão de Operações Aéreas). A figura abaixo fornece algumas informações sobre as aeronaves operadas por cada uma das Forças de Segurança citadas no texto.


Frota atualizada das aeronaves operadas em Santa Catarina. 

A partir de agora passamos a detalhar as Unidades Aéreas das Forças de Segurança estaduais e federais que atuam em Santa Catarina, trazendo aos nossos leitores mais informações sobre cada uma delas.


Batalhão de Aviação da Polícia Militar




No ano de 1986, a Policia Militar de Santa Catarina (PMSC) iniciou as operações aéreas com a locação de um helicóptero modelo Bell Jet Ranger III, para emprego na Operação Veraneio de 1986/1987. Integrantes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros (que na época fazia parte daquela Corporação), com curso em salvamento em altura, compunham a tripulação da aeronave. Apesar dos relevantes serviços prestados e dos inúmeros resgates realizados, o contrato de locação não foi renovado. Assim, teve início as operações aéreas na PMSC, constituída de helicópteros alugados para emprego durante os meses da temporada de verão. Ao término da operação, as aeronaves eram devolvidas à empresa locadora. A partir do ano de 1998, a corporação passou a contar com um helicóptero locado para operar durante todo o ano e, no ano seguinte, a região norte do Estado também passou a contar com uma aeronave permanente.


Emblema do Grupamento Aéreo (GRAER)

Alguns padrões de pintura e aeronaves utilizadas ao longo da história do BAPM. Todas as fotos: Juliano Damásio

Em 2002, o então Grupamento Aéreo da Polícia Militar de Santa Catarina (GRAER), recebeu uma terceira aeronave que operou por aproximadamente um ano. Neste mesmo ano, o Comando-Geral da Corporação editou a Portaria nº 42/PMSC, transformando o GRAER em Unidade Policial Militar, vindo a se efetivar como Batalhão de Aviação da Polícia Militar em 2008, quando entrou em vigor o Decreto Estadual nº 1.392. A partir de 2009, as atividades no Batalhão de Aviação da PMSC passaram a contar também com aeronaves de asa fixa (avião), ampliando o raio de atuação da Unidade Aérea, em especial no Transporte de Tropa, Fiscalização Ambiental e Missões de Misericórdia, incluindo homologação para transporte neonatal e pacientes em maca.

Atualmente o Batalhão de Aviação é comandado pelo Tenente-Coronel PM Valdoney Sérgio Rohling e está distribuído em três companhias, sendo a sede do Batalhão em Florianópolis, com um helicóptero Agusta/Westland AW-119 Koala (Águia 2) e duas aeronaves de asa fixa, um Embraer EMB-711C Corisco (Águia 3) e um Embraer EMB-810C Seneca II (Águia 5), contando com um efetivo formado por 10 Pilotos, 17 Tripulantes Operacionais Multimissão (TOM-M) e 3 profissionais para Apoio em Solo; a Companhia de Joinville com um helicóptero Esquilo B2 (Águia 1), composta por 8 Pilotos, 9 Tripulantes e 4 policiais para Apoio Administrativo e; a Companhia de Lages, com uma aeronave do mesmo modelo, designada como Águia 4, tendo um efetivo orgânico de 6 Pilotos e 7 Tripulantes.


Emblema da 1ª Cia./BAPM, com sede em Florianópolis.

Imagens das aeronaves e de algumas das missões desempenhadas pela 1ª Cia./BAPM. Todas as fotos: 1ª Cia./BAPM

Agusta/Westland AW-119 Koala Mk.II - PR-PMM "Águia 2"

Embraer EMB-711C Corisco - PT-NKL "Águia 3"

Embraer EMB-810C Seneca II - PP-FFY "Águia 5"

A Segunda Companhia do Batalhão de Aviação da Polícia Militar (2ª Cia./BAPM) foi criada em 2002, na cidade de Joinville (Norte do Estado) com o designativo de Base Avançada Norte do GRAER. Entretanto, mesmo antes de iniciar oficialmente suas atividades, em 2001, a Polícia Militar já se fazia presente nos céus de Joinville e região, operando sob o regime de revezamento semanal de guarnições a partir de Florianópolis. Com a implantação da Base Avançada de Joinville, a Unidade Aérea passou a contar com seus próprios pilotos e tripulantes e desde o início teve como característica principal, o emprego operacional dentro da doutrina multimissão, com ações de resgate policial. Para manter o nível técnico e a padronização, a unidade dedicou-se à Instrução e Ensino, adaptando-se de forma dinâmica às regras de distribuição das etapas de treinamento de acordo com a realidade do momento e sua capacidade evolutiva.


Emblema da 2ª Cia./BAPM, sediada na cidade de Joinville.

Com o passar do tempo foi necessária a evolução e aperfeiçoamento da Unidade. Com o aumento da criminalidade surgiu a demanda de apoio às ocorrências policiais, sem, no entanto, reduzir o número de solicitações para atendimento em resgates, necessitando assim de equipes tecnicamente treinadas e preparadas para o atendimento de ocorrências de diversos tipos. Com isso, e com a separação entre Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar, foi necessário formar profissionais para o atendimento dessas ocorrências, surgindo assim a figura do Tripulante Operacional Multimissão  (TOM-M). A atuação e importância da Unidade Aérea pode ser medida através dos números. No período compreendido entre 2001 a 2015, foram 7.779,19 horas de voo em atendimento a 10.473 missões, resultando em 3.882 pessoas socorridas e 1.072 prisões efetuadas com o apoio da aeronave.

Algumas imagens que mostram o dia-a-dia e algumas das missões desempenhadas pelas guarnições da 2ª Cia./BAPM. Todas as fotos: 2ª Cia./BAPM

Após alguns anos, a Base Avançada Norte do GRAER passou a ser denominada como 2ª Companhia do Batalhão de Aviação da Polícia Militar, mudando também de endereço, não estando mais sediada no 8º BPM, mas agora em quartel próprio na Zona Norte de Joinville, atendendo diretamente 45 (quarenta e cinco) municípios, nas regiões do Vale do Itajaí, Planalto Norte e Litoral Norte Catarinense.


Emblema da 5ª Cia./BAPM, localizada em Lages.


Imagens com algumas missões desempenhadas pelo Águia 4. Todas as fotos: 5ª Cia./BAPM



Vídeo mostrando a aeronave e as missões realizadas pela 5ª Companhia. Fonte: 5ª Cia./BAPM via Eduardo Steil

Em 2015, foi instalada a 5ª Companhia (5ª Cia./BAPM) na cidade de Lages, contemplando de maneira permanente a região do planalto catarinense com uma aeronave da Polícia Militar. Ao longo de sua história, o Batalhão de Aviação da Polícia Militar, vivenciou momentos históricos e atuou em situações marcantes, como em 2008, durante a tragédia do Morro do Baú, a maior operação aérea de Segurança Pública em território nacional. Santa Catarina foi palco de uma atuação integrada da Aviação de Segurança Pública, em novembro e dezembro daquele ano, com o atendimento às calamidades registradas no Vale do Itajaí, com a participação de 21 aeronaves da área de Segurança Pública de vários Estados do Brasil, todas sob coordenação do Batalhão de Aviação da PMSC.


Vídeo Institucional referente aos 30 anos de criação do BAPM. Fonte: BAPM/PMSC

Desde o início da atividade aérea na Polícia Militar de Santa Catarina, suas aeronaves socorreram mais de 10 mil pessoas, foram utilizadas na prisão de mais de 1.700 infratores, realizaram mais de 25 mil missões nas áreas da Segurança Pública, Defesa Civil, Fiscalização Ambiental, Missões de Misericórdia e apoio a outros órgãos governamentais, perfazendo aproximadamente 30 mil horas de voo. Empregando a doutrina de aviação multimissão, presente em outros Estados da Federação como São Paulo e Minas Gerais, o BAPM presta não só apoio na área policial, mas também em atendimento pré-hospitalar, resgates, transporte aeromédico, transporte de órgãos e de equipes para captação, fiscalização ambiental, combate a incêndio, buscas terrestre e marítima, transporte de autoridades, defesa civil, dentre outras.

O Decreto Estadual que criou o Batalhão de Aviação da Polícia Militar, previa a instalação de seis Bases Operacionais (Florianópolis, Joinville, Chapecó, Lages, Criciúma e Balneário Camboriú). Destas cidades, apenas a última não conta ainda com o apoio aéreo permanente da Polícia Militar ou das outras Forças de Segurança que atuam no Estado. Sendo assim, para o futuro próximo está prevista a ativação de uma base do BAPM em Balneário Camboriú. Também estão nos planos, a atualização da frota de aeronaves, principalmente de asa fixa, tudo para continuar prestando um inestimável e imprescindível apoio à sociedade catarinense, sempre fiel ao lema "VOAR PARA SERVIR".



Batalhão de Operações Aéreas - Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina




O Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (BOA/CBM-SC) foi criado em 2010, entretanto, até chegar esta data, um longo caminho foi percorrido, fruto do trabalho incansável de um grupo de entusiastas da ideia do emprego de meios aéreos em Missões de Resgate e Salvamento. Suas origens remontam ao ano de 1986, quando a Corporação encontrava-se ainda inserida nos quadros da Policia Militar de Santa Catarina (PMSC), através do aluguel por parte do Governo do Estado, de um helicóptero Bell Jet Ranger III (comandado por piloto particular e guarnecido por tripulações compostas por Policiais e Bombeiros Militares), para atuar durante os meses da temporada de verão, na chamada Operação Veraneio 1986/1987. Mesmo operada por tempo limitado, a utilização da aeronave comprovou a importância do apoio aéreo tanto em missões policiais quanto de resgate e salvamento, lançando a semente que anos mais tarde culminaria com a criação da Unidade Aérea.

Alguns momentos marcantes da história do Batalhão de Operações Aéreas. Todas as fotos: Autores desconhecidos, retiradas da obra "Arcanjo: A história do BOA escrita sob a inspiração das asas de um sonho"

Entre aquela experiência inicial com o emprego de helicóptero, passando pela separação das atividades entre Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, em 13 de junho de 2003, o caminho para a chegada da primeira aeronave foi sendo pavimentado através da criação do Grupamento de Operações Aéreas (GOA), da qualificação e treinamento de Pilotos, Tripulantes Operacionais e Equipes Médicas, intercâmbios e do estabelecimento de uma doutrina própria de emprego em Missões Aeromédicas. Faltava a aeronave e ela chegou no dia 19 de janeiro de 2010, por intermédio de um contrato de locação de três meses materializado na forma do Helibras HB-350B Esquilo com a matrícula PT-HLU e ganhando o sugestivo e apropriado nome de "Arcanjo 1". No dia 02 de fevereiro de 2010, o Batalhão de Operações Aéreas é oficialmente ativado e até o término do seu período de utilização, a aeronave teve uma participação fundamental no apoio às missões em que foi empregada. Após um breve período sem aeronave, o PT-HLU retornou ao Estado, desta vez ostentando as clássicas cores vermelha, branca e amarela das viaturas oficiais do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina.

"Arcanjo 1" empregado na locação inicial (20/01 a 19/04/2010). Foto: Juliano Damásio 

"Arcanjo 1" em sua segunda passagem pelo BOA/CBM-SC, desta vez com as cores oficiais da Corporação. Foto: Juliano Damásio.

Finalmente, em 09 de Março de 2012, o Batalhão de Operações Aéreas ganha sua primeira aeronave orgânica, na forma do Eurocopter AS-350B2 Esquilo com a matrícula PR-HGR, adquirido em parceria entre o Corpo de Bombeiros e a Secretaria de Estado da Saúde, herdando a designação emblemática de seu antecessor. Hoje o BOA conta em seu acervo com dois helicópteros do modelo Esquilo B2 e dois aviões (um Cessna 210N Centurion II e um Cessna 206H Stationair), adquiridos com recursos próprios ou através de doações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Com bases fixas de operação nas cidades de Florianópolis e Blumenau e uma Base Avançada também localizada na capital catarinense, a Unidade Aérea atua em todo o Estado de Santa Catarina e conta atualmente com 19 Pilotos, 23 Tripulantes Operacionais, 14 Médicos(as) e 10 Enfermeiros(as), pertencentes ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), numa parceria firmada desde 2012. É importante frisar que o Batalhão de Operações Aéreas, diferentemente dos outros serviços aéreos que atuam no Estado, tem suas atribuições totalmente voltadas para as atividades Aeromédica e de Salvamento, com equipes especializadas e aeronaves pré-configuradas para estes tipos de missões. Além disso, atua também em ocorrências de Suporte Avançado à Vida, Resgates em terra e no mar, Busca e Salvamento, Combate a Incêndios, Ajuda Humanitária, Proteção ao Meio Ambiente, Transporte Inter-Hospitalar e de órgãos para transplante e apoio à Defesa Civil e demais órgãos do Estado, municípios e União.


Vídeo mostrando algumas das missões desempenhadas pelo BOA/CBM-SC. Fonte: Bomb Sky



Eurocopter AS-350B2 Esquilo, "Arcanjo 1". A aeronave atua em resgates, busca e salvamento, combate a incêndios, APH, prevenção, defesa civil e apoio a Órgãos do Estado, Municípios e União. Todas as fotos do mosaico: BOA/CBM-SC



Cessna 210N Centurion II, "Arcanjo 2". Atua em remoções aeromédicas especializadas, transporte de equipes para captação de órgãos e apoio a órgãos públicos do Estado e União. Todas as fotos do mosaico: BOA/CBM-SC











Fotos do novo "Arcanjo 3", entregue à Corporação no mês de Novembro em substituição ao PR-YCB, acidentado no Paraná, em abril deste ano. A aeronave tem sua sede na cidade de Blumenau, atendendo toda a região do Vale do Itajaí, atuando em resgates, busca e salvamento, combate a incêndios, APH, prevenção, defesa civil e apoio a Órgãos do Estado, Municípios e União.









Cessna 206H Stationair, "Arcanjo 4", utilizado em remoções aeromédicas especializadas, transporte de equipes para captação de órgãos e apoio a órgãos públicos do Estado e União. Todas as fotos do mosaico: BOA/CBM-SC


Desde 2012, o Batalhão de Operações Aéreas atua de forma conjunta com equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). No atendimento das ocorrências, seguem um(a) Médico(a) e um(a) Enfermeiro(a), especialmente treinados para atuar a bordo das aeronaves.


Quando o socorro vem do céu, não existe designação mais apropriada para definir as aeronaves do BOA que Arcanjo, tido como um anjo principal, responsável por realizar as tarefas mais importantes. O nome também é uma homenagem ao primeiro helicóptero de uma Unidade do Corpo de Bombeiros (Minas Gerais) a atuar no Estado, durante as enchentes de 2008. Com as missões de Proteger e Salvar, todas as aeronaves do Batalhão de Operações Aéreas levam estampadas na fuselagem, além do seu número, a expressão: "Arcanjo: Guardião da Vida".


Inaugurada em 6 de fevereiro de 2015, a Base Avançada da Costeira, localizada em Florianópolis, permitiu ao Batalhão de Operações Aéreas operar com mais agilidade e rapidez no atendimento das ocorrências. Fotos: BOA/CBM-SC




Regularmente o Batalhão de Operações Aéreas realiza treinamentos, onde as principais técnicas de resgate são exercitadas. Fotos: Giulliano B. Frassetto

A importância do serviço prestado pelas aeronaves do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, já vislumbrada por aqueles que desde o início defenderam sua utilização, pode ser medida através das estatísticas. De Janeiro de 2010 a Dezembro de 2016, foram 4.148,9 Horas de Voo no cumprimento de mais de 5.000 missões e 4.449 atendimentos realizados. Para o futuro próximo, o BOA deverá deixar seu atual hangar no Aeroporto Internacional Hercílio Luz (FLN/SBFL), passando para instalações próprias localizadas em um empreendimento aeronáutico em fase de implantação em Ratones, no norte da Ilha de Santa Catarina. Também estão nos planos a aquisição de mais uma aeronave de asa fixa com maior capacidade e de um helicóptero monoturbina mais potente. Independente do que os anos vindouros reservem ao Batalhão de Operações Aéreas, o certo é que os homens e mulheres comandados atualmente pelo Tenente-Coronel BM Giovanni Fernando Kemper, seguirão o legado de seus antecessores e continuarão fiéis ao lema da Unidade: "VOAR, PAIRAR, INTERVIR, SALVAR".






Serviço Aeropolicial - Policia Civil de Santa Catarina




A atividade aérea na Polícia Civil de Santa Catarina (PC-SC) remonta ao começo da década de 90, quando foram realizados estudos preliminares para a implantação de tal serviço na Instituição. Alguns anos se passariam até que aquela ideia efetivamente ganhasse asas. Assim, em 14 de agosto de 2004 foi criado o Serviço Aéreo Tático (SAT), operando com um helicóptero Robinson R-44 Police, inicialmente com pilotos e tripulação contratada. No ano seguinte, três Delegados catarinenses receberam curso em São Paulo, qualificando-se como Pilotos de Helicóptero. Dessa forma, o SAT passou a contar com policiais capacitados para comandarem as operações aéreas. Em 2007 também ocorre a primeira troca de aeronave, com o modelo R-44, com motor a pistão, sendo substituído por um helicóptero Bell Jet Ranger III, mais potente.



Helicópteros R-44 Police operados pelo SAT. Fotos: Juliano Damásio


Helicóptero modelo Bell Jet Ranger III. Fotos: Juliano Damásio

Um novo e importante capítulo na história da aviação da Polícia Civil começou a ser escrito no final do ano de 2008. O Estado de Santa Catarina, principalmente os municípios do Alto Vale do Itajaí, foi assolado por severas inundações e, para dar suporte à população catarinense atingida, foi desencadeada a chamada Operação Arca de Noé, com a participação maciça de órgãos e aeronaves de várias regiões do Brasil, considerada até hoje, a maior operação integrada da aviação de Segurança Pública no país e a maior ação de evacuação de área já realizada em território nacional, a segunda maior da América Latina, perdendo apenas para a Guerra das Malvinas em 1982.


Vídeo Institucional mostrando a atuação do SAER em diversos tipos de missões. Fonte: GUI Produções via Polícia Brasileira


Algumas das missões executadas pelas equipes do SAER/SAER-Fron. Fonte: SAER/PC-SC

Sem dúvida, uma das principais atribuições do SAER é a missão policial. Na foto, tripulante atento em voo de patrulhamento sobre a região de Criciúma. Foto: Giulliano B. Frassetto


Técnicas e equipamentos de resgate empregados pelas equipes do SAER. Fonte: SAER/PC-SC

Este momento de sofrimento para o povo catarinense não passou em branco pelo serviço aéreo da Polícia Civil. No ano seguinte, com base nos ensinamentos e experiências adquiridas durante a tragédia, iniciou-se um projeto para reestruturação e aprimoramento da Unidade Aérea, principalmente no atendimento de missões em colaboração com a Defesa Civil. Também em 2009, a Unidade Aérea passou a operar em novas instalações, com um novo vetor, um Helibras HB-350B2 Esquilo (mais versátil e com maior capacidade de operação), além de ampliação do efetivo de Tripulantes Multimissão, treinados pela Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Em 2010, novos agentes passaram a integrar a equipe e foram estabelecidos acordos entre a PC-SC e os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Amazonas para instruções de pilotos e tripulantes, além de convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP-MJ) para aquisição de uma aeronave própria, para atuar na região da fronteira oeste do Estado.










No último dia 30 de novembro, foi inaugurada a sede do SAER na cidade de Criciúma, no sul catarinense, região que ainda não dispunha de uma base fixa de operações com aeronave no Estado. Todas as fotos: Giulliano B. Frassetto.



Emblema do SAER-Fron, que tem sua base no município de Chapecó, no oeste catarinense.

Finalmente, pelo Decreto Estadual n° 2.260, de 18 de junho de 2014, é instituído oficialmente o Serviço Aeropolicial (SAER) e o Serviço Aeropolicial de Fronteira (SAER-Fron). Hoje a Unidade Aérea atua com dois helicópteros modelo Helibras HB-350B2 Esquilo (sendo um deles operado em forma de locação e o outro de propriedade do Estado), especialmente configurados e guarnecidos por tripulações multimissão, com bases fixas de operação nas cidades de Criciúma e Chapecó. Cabe ao SAER e SAER-Fron, o desempenho das seguintes missões:

     ➤ Policial (fugas, levantamento e apoio em operações, inclusive por terra);
     ➤ Monitoramento de áreas críticas;
     ➤ Auxílio a Instituições Públicas (Federal, Estadual e Municipal);
     ➤ Transporte (órgãos, equipe médica, enfermos, policiais, autoridades, presos);
     ➤ Buscas (náufragos, afogados, perdidos);
     ➤ Resgates (águas, encostas, áreas restritas);
     ➤ Defesa Civil;
     ➤ Instrução da Unidade, além de outras.


Os atuais vetores do SAER e SAER-Fron: Helibras HB-350B2 Esquilo, PT-HZF (Polícia 01) e...

...Helibras HB-350B2 Esquilo, PR-HHV (Polícia 02). Foto: Juliano Damásio

Atualmente as duas Unidades contam com cinco Comandantes (02 Delegados e 03 Agentes), cinco Co-pilotos (03 Delegados e 02 Agentes) e dezesseis Tripulantes Multimissão (Agentes), chefiados pelo Delegado Gilberto Crepaldi Mondini (SAER) e Ricardo Newton Casagrande (SAER-Fron). Nestes 12 anos de atuação foram cerca de 5 mil Horas de Voo em apoio a mais de 8.200 ocorrências em 192 municípios catarinenses atendidos. Para o futuro próximo, a principal meta do Serviço Aeropolicial é, a exemplo da Unidade de Chapecó, obter uma sede própria no município de Criciúma e angariar recursos para operar uma aeronave própria. Se depender do profissionalismo e da determinação com que seus integrantes cumprem suas missões, podemos ter certeza que isso logo se tornará uma realidade.



Divisão de Operações Aéreas - Polícia Rodoviária Federal




Criada em 1999, a Divisão de Operações Aéreas da Polícia Rodoviária Federal (DOA/PRF) tem sua sede em Brasília/DF e é responsável pela fiscalização aérea das Rodovias Federais e pelo atendimento de vítimas de acidentes. Para cumprir suas missões constitucionais, conta com uma frota de dez helicópteros, sendo cinco Bell 407, um Bell 412EP e quatro Eurocopter EC-120B Colibri, além de dois aviões (um Embraer 810D Seneca III e um Cessna 208B Grand Caravan). Estas aeronaves encontram-se distribuídas em Bases Operacionais localizadas na Capital Federal e nos Estados de Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.



Heliponto e Hangar da DOA-SC em Canasvieiras, Florianópolis.

Situada ao lado da Academia Nacional da PRF, a DOA-SC também cumpre a tarefa de instrução dos novos Agentes ou formação de Forças Policiais em resgate a partir de helicópteros. Na foto, estrutura para treinamento de técnicas de descida de aeronave.

A presença da Divisão de Operações Aéreas em Santa Catarina teve início a partir do ano 2000 com a participação de um helicóptero Bell 407 na chamada Operação Verão 2000/2001 (15/Dez. a 15/Mar.), planejada e conduzida pelos órgãos de Segurança Pública do Estado para dar suporte ao grande contingente de pessoas que escolhem Santa Catarina, sobretudo o litoral, para veranear ou passar férias. No ano seguinte a Unidade Aérea novamente atuou no Estado, desta vez integrando a Operação Verão 2001/2002. Entretanto, o grande número de acidentes de trânsito e de vítimas nas Rodovias Federais ao longo do ano, determinou a instalação de uma base permanente em Santa Catarina, fato este que ocorreu a partir de 12 de setembro de 2003, sendo inicialmente estabelecida junto às dependências do Aeroclube de Santa Catarina, no município de São José. A partir de 2006, a DOA-SC mudou de endereço, passando a operar seus voos a partir do Helicentro Golden Slim, instalado próximo à BR-101 em São José, permanecendo neste local até o ano passado, quando transferiu-se para instalações próprias, junto à Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (ANPRF), localizada em Florianópolis, às margens da Rodovia SC-401 no bairro de Canasvieiras.



 Nas estradas, ...


em áreas de difícil acesso, ...

à beira-mar, ou...


em qualquer local que se possa pousar um helicóptero...

...lá estão as equipes da DOA/PRF cumprindo sua missão. Todas as fotos: DOA-SC

A Divisão de Operações Aéreas em Santa Catarina foi a pioneira no Brasil em integrar nas Missões de Resgate e de Atendimento à Vítimas de Acidentes, equipes do SAMU. Foto: DOA-SC


Além de atuar em Resgates, fazem parte das ações da DOA/PRF, as Missões Policiais e...

...o auxílio em situações de Calamidade Pública, como a enchente de Set./2011 no Vale do Itajaí. Todas as fotos: DOA-SC



Acionamento do helicóptero Bell 407 para atendimento de ocorrência. Fonte: DOA/PRF-SC via Antônio Aurélio Lins Leal



Resgate Aéreo, BR-282, KM.97. Fonte: DOA/PRF-SC via Antônio Aurélio Lins Leal

Desde o início de suas atividades em Santa Catarina a aeronave utilizada pela Instituição é o versátil Bell 407, um helicóptero utilitário de emprego geral, propulsado por um motor Allison 250-C47B, rotor principal com quatro pás e capacidade para transportar, de acordo com a configuração, um piloto e mais cinco ou seis passageiros. No caso da DOA/PRF, em Missões Policiais a aeronave voa com 02 Pilotos (Comandante e Co-piloto) e 02 Operadores de Equipamentos Especial (ou Operadores Aerotáticos, segundo a nova nomenclatura). Já em Missões de Resgate ou Aeromédicas, o Bell 407 opera com 01 Piloto (CMT), 01 Operador (OEE), além de uma Equipe do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), composta por um Médico e uma Enfermeira. É importante ressaltar que a parceria com o SAMU iniciou-se em dezembro de 2005, sendo a base de Santa Catarina pioneira no Brasil neste tipo de cooperação.







Bell 407 com a matrícula PR-YZJ e denominado de "Patrulha 01", o atual vetor da DOA-SC. A sua versatilidade permite que a aeronave possa voar especialmente configurada para Missões de Resgate ou Aeromédica.

Atualmente a Unidade de Santa Catarina da Divisão de Operações Aéreas (DOA/PRF-SC) é chefiada pelo Comandante PRF Lisandro Martinelli e conta com dois Pilotos Operacionais e seis Operadores de Equipamentos Especiais ou Aerotáticos, preparados para cumprir um amplo leque de missões. Mais seis Pilotos estão se qualificando e em breve deverão fazer parte integralmente da equipe. Nestes dezesseis anos de atuação em Santa Catarina, foram realizados 372 atendimentos com equipes exclusivas da PRF e 1.120 em conjunto com o SAMU, totalizando 1.492 missões de resgate, em rodovias, áreas urbanas e rurais, montanhas, praia e no mar, demonstrando o alto grau de treinamento de todos os componentes da Unidade Aérea. Para o futuro, vislumbra-se uma segunda aeronave operando em Santa Catarina (especialmente configurada para a Missão Policial ou de Resgate) ou a substituição da atual por um modelo multimissão. Também existe a perspectiva da aeronave EMB-810D Seneca III passar a atuar em Santa Catarina, ficando baseada no Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis.



Até 2015, a DOA/PRF-SC estava sediada próxima à BR-101 em Barreiros, no município de São José. Fotos: DOA/PRF-SC


Agradecimentos


Foram semanas de muita dedicação para pesquisar e reunir informações, editar fotografias, emblemas e vídeos, montar mapas e tabelas, escrever os textos, além das visitas às instalações e hangares das Unidades Aéreas aqui abordadas, resultando num trabalho que tem a pretensão de ser o mais completo, abrangente e atualizado estudo já publicado sobre a Aviação de Segurança Pública em Santa Catarina. Entretanto, nada disso teria sido possível sem a colaboração inestimável de um grande número de profissionais que, com extrema presteza e entusiasmo, nos receberam de forma atenciosa, não medindo esforços para auxiliar na realização desta matéria.

Assim, fica aqui o nosso mais sincero e caloroso agradecimento a todos que nos ajudaram de alguma forma, em especial, ao Comandante Lisandro Martinelli e toda a equipe da Divisão de Operações Aéreas da Polícia Rodoviária Federal em Santa Catarina, ao Inspetor Adriano Fiamoncini, responsável pelo Núcleo de Comunicação Social da PRF no Estado; ao Tenentes-Coronéis BM Diogo Bahia Losso, João Batista Cordeiro Júnior e Giovanni Fernando Kemper, do Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina; Ao Major PM Bernardes, Capitão PM Modolon e Soldado PM Mariana, do Batalhão de Aviação da Polícia Militar, ao Capitão PM Leandro da 2ª Companhia de Joinville e; ao Delegado Gilberto Crepaldi Mondini, Chefe do Serviço Aeropolicial da Polícia Civil de Santa Catarina. Por fim, agradecimentos aos amigos de longa data, que compartilham conosco a mesma paixão pelas máquinas voadoras, Giulliano B. Frassetto, Juliano Damásio e Daniel R. Popinga, que gentilmente cederam fotos para esta matéria.















1 comentários:

fernandalobo1 disse...

Matéria muito detalhada, como sempre. Parabéns!!!

Postar um comentário